Projetos de Portugal visa internacionalização da economia portuguesa e investimento das diásporas

Conselho de Ministros de Portugal

O Conselho de Ministros aprovou no dia 23 de Julho de 2020 o “Programa Internacionalizar 2030” que tem como principal objetivo apoiar a internacionalização da economia portuguesa e que inclui medidas especificas para fazer face à crise provocada pela pandemia, assim como o Programa Nacional de Apoio ao Investimento da Diáspora (PNAID).

O Programa Internacionalizar 2030, estabelece as prioridades para a internacionalização da economia portuguesa, “através do aumento das exportações de bens e serviços e do incremento do número de exportadores, da diversificação de mercados de exportação, do aumento do volume de investimento direto estrangeiro (IDE), do fortalecimento do investimento direto português no estrangeiro (IDPE) e do acréscimo do valor acrescentado nacional (VAB)”, nota divulgada através do comunicado do Conselho de Ministros.

O programa que segue as linhas do Programa Internacionalizar centra-se em seis eixos:

  1. Business and market intelligence;
  2. Formação e qualificação dos recursos humanos e do território;
  3. Financiamento;
  4. Apoio no acesso aos mercados e ao investimento em Portugal;
  5. Desenvolvimento da marca Portugal;
  6. Política Comercial e de Custos de Contexto.

“Dentro destes eixos estão ainda contempladas medidas específicas para responder aos desafios resultantes da pandemia da doença Covid-19”, refere o comunicado.

O Governo aprovou ainda o PNAID, que “pretende reforçar a ligação das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro ao território nacional”. Tem como objetivos aproveitar o potencial das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro para o apoio à internacionalização da economia portuguesa e estimular o investimento destas comunidades em Portugal.

Prevê assim “reforçar o apoio ao regresso de portugueses e luso-descendentes ao território nacional”, bem como “apoiar o investimento da Diáspora e, através da Diáspora, o investimento estrangeiro em Portugal”. Mas visa ainda “contribuir para a atração e fixação de pessoas e empresas nos territórios do Interior e para o seu desenvolvimento econômico”, assim como “fazer das comunidades portuguesas residentes no estrangeiro um fator de promoção da internacionalização de Portugal e de diversificação de mercados dos diversos setores da economia portuguesa”.

Leia a matéria completa no site do Jornal Econômico.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *