Preços na produção industrial sobem 2,9% na zona euro em setembro

Aumento de custos na zona do euro

Aumentos dos custos industriais na zona do euro atinge 2,9% em Setembro/2017.



Os preços na produção industrial aumentaram em setembro em termos homólogos 2,9% na zona euro e 3,3% na União Europeia (UE), segundo dados hoje divulgados pelo Eurostat. Comparando com agosto deste ano, os preços na produção industrial aumentaram em setembro 0,6% tanto no grupo dos países da zona euro como na UE a 28, acelerando face ao verificado em agosto quando tinham aumentado 0,3% nos membros do euro e 0,4% no grupo alargado a 28.

De acordo com o gabinete de estatísticas da UE, as maiores subidas homólogas foram registadas na Bélgica (7%), na Holanda (6,4%), na Bulgária (6%), na Estónia (5,5%) e no Reino Unido (5,4%). Na comparação com o mês anterior, os maiores crescimentos nos preços na produção industrial verificaram-se na Holanda (2,9%), na Dinamarca (1,4%), na Bélgica (1,3%) e na Grécia (1,2%), ao passo que a queda mais acentuada se registou em Chipre (-1,4%). Em Portugal, os preços na produção industrial aumentaram 3,3% em setembro em termos homólogos e cresceram 0,3% face ao mês anterior.

O aumento homólogo de 2,9% dos preços na produção industrial verificado na zona euro ficou a dever-se às subidas de 4,6% dos preços no setor da energia, de 3,3% nos bens intermédios, de 2,7% nos bens não duradouros, de 1% nos bens de investimento e de 0,7% nos bens duradouros. Excluindo os bens energéticos, os preços na produção industrial aumentaram 2,2% em setembro face ao mesmo mês do ano passado.

Já na UE a 28, a subida de 3,3% dos preços em termos homólogos deveu-se ao crescimento de 6% dos preços da energia, de 3,5% nos bens intermédios, de 2,7% nos bens não duradouros, de 1,1% nos bens de investimento e de 1% nos bens duradouros. Sem o setor da energia, os preços do conjunto da indústria aumentaram em termos homólogos 2,5% em setembro na UE a 28.

Leia a matéria completa no site da AICEP Portugal Global.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *