Porto de Paranaguá coopera com operação internacional contra poluição marítima

Portos do Parana_Poluicao Intl_02

Foto: AEN – Agência de Notícias do Paraná



Nesta sexta-feira (19), durante toda a manhã, peritos criminais e agentes da Polícia Federal no Paraná, sob a coordenação do delegado-chefe da Delegacia de Repressão a Crimes Contra o Meio Ambiente e o Patrimônio Histórico, Felipe Hayashi, estiveram no Porto de Paranaguá para receber informações e conhecer algumas operações de rotina que estão entre as monitoradas pela Diretoria de Meio Ambiente da Portos do Paraná.

“Além de fornecer os dados brutos de monitoramentos ambientais, para que possamos cruzar os dados com outras ações nas quais estão envolvidos, também colaboramos mostrando como a Portos do Paraná realiza as suas fiscalizações de rotina com o objetivo de evitar a contaminação do mar”, afirma o diretor de Meio Ambiente da Portos do Paraná, João Paulo Ribeiro Santana.

Segundo o diretor, a malha amostral envolvida nas atividades de monitoramento ambiental da Portos do Paraná é muito ampla e dinâmica no Complexo Estuarino de Paranaguá. Em razão disso não capta dados provenientes apenas da atividade portuária, mas de diversas outras atividades. Ao longo de um histórico de mais de sete anos, os números gerados em planilhas são bastante volumosos.

“A gente está prestando um serviço de fornecimento de informações de nossos bancos de dados, pois são guardados para disponibilização, de forma pública, para aqueles que tiverem interesse em requerer. Isso é uma contribuição não apenas para a sociedade, mas principalmente para o Planeta”, afirma.

Como explica o delegado Felipe Hayashi, o foco da operação é combater e prevenir a poluição marítima, seja ela causada por navios e instalações offshore, seja praticada em terra e rios ou decorrente do tráfico de resíduos pelos portos.

A Interpol, por meio do “Pollution Crime Working Group” (PCWG) deu início a essa modalidade de ação global no ano de 2018, sendo esta a terceira operação internacional, cujo planejamento iniciou-se em 2020. O Brasil, junto com países das Américas do Norte, Central e do Sul, Europa, Ásia-Pacífico, África e Oriente Médio, está executando a operação “30 Days at Sea 3.0” durante este mês de março.

“O Litoral do Paraná é uma área que exige um mapeamento de risco para que esse controle seja cada vez mais intenso, em termos de fiscalização e gerenciamento de riscos ambientais”, acrescenta Hayashi.

Portos do Parana_Poluicao Intl_01

Foto: AEN – Agência de Notícias do Paraná



Sobre a cooperação da Portos do Paraná, no compartilhamento dos dados ambientais, o delegado diz ser importante para que a Polícia Federal possa identificar e agir de forma rápida, caso seja detectado eventual crime.

Além da Polícia Federal, também estão envolvidos na ação, no Paraná, a Marinha, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) e ICMBio. Além da Portos do Paraná, no Estado, ainda cooperam com a ação o Instituto Água e e Terra (IAT), a Polícia Militar, o Corpo de Bombeiros e a Sanepar.

Leia a matéria completa no site da AEN – Agência de Notícias do Paraná.

Adicionar a favoritos link permanente.

Deixe uma resposta